Personagens

Lista com os nomes dos personagens:

  • Calith, O Deus da Guerra

  • Hirikkai

  • Kangnut

  • Rangnor, O Ferreiro da Fibra de Platina

  • Garen Dillyax, O Rei da Supremacia do Norte

  • Dorta de Liriva

  • Turg de Liriva

  • Rill Limmei

  • Alis Berryan

  • Drok Meriln

Alis Berryan

 

Talial - Pike

Personagem Criado Por Luanna Martins

História e Construção do Personagem

Alis era uma pequena criança extrovertida e esperançosa que sonhava em viver em "algum lugar próximo"

— Lugar Próximo? Que lugar? — Perguntou sua mãe preocupada que sua filha de 5 anos não tenha gostado para a nova casa que se mudaram, com muito suor e dinheiro juntado a moedas.

— Uhum — Resmungou assentindo, mas logo abriu um enorme sorriso — Sabe mãe, esse lugar é perto daqui porque todos se respeitam que nem aqui. Mas ainda sim é distante, já que lá a senhora poderia comer toooodos os dias — Os olhos de Lia lacrimejaram e para disfarçar ela pegou sua pequena no colo e sorriu.

— Mas como você vai chegar lá? Eu e seu pai vamos com você?

— Claro que sim — Alis esbravejou como se fosse óbvio — Bom, eu ainda não sei chegar lá. Mas se eu não chegar, basta criar um lugar assim, não é? — Chegou a conclusão com os olhos brilhando em esperança.

— Claro que não é fácil assim, bobinha — Sua mãe riu da inocência da pequena e apertou seu narizinho.

Felizmente, o lugar respeitoso que Alis vivia e citou era no Vale de Garensis, mas precisamente na Pogocracia, lugar prospero de cultura Pogo. Neste Reino, Alis vivia em uma de suas Castas/Camadas mais baixa, sendo esta a 8°. Mas nada que lhe impedia de viver uma vida feliz e inocente.

A Pogocracia avalia seus cidadão por classe de Genuidade, ou seja, depende se seus critérios irão atingir ou não a expectativa imposta por eles, sendo em sua prevalência os ideias estéticos Pogos. Mas, nem tudo estava perdido, algumas raças não Pogos não eram as camadas mais baixas, já que mesmo estes possuíam algo que eles valorizavam. Agilidade, inteligência e Empatia/Carisma.

Com 10 anos, "Não raças" e Pogos passam por um tipo de batismo. Sendo este evento um teste de Genuidade. Claramente nas questões estéticas outras raças se saem piores, mas isso não impedia que alguns "Não raça" fizessem parte até de Castas Terciarias ou Segundarias. E neste ano seria a vez da adorável Alis, juntamente de seus amigos, de fazerem o teste. Como qualquer criança esperançosa, Alis esperava conseguir alcançar a 4° Casta e sair de sua 8°. Dependendo de seu desempenho, poderia levar sua família consigo. Mas algo naquele ano impediu que tal evento acontecesse.

Alis nunca entendeu muito de Política, mesmo que estudasse muito para ser "Genuinamente Inteligente" — Palavras da mesma—. Porém, não era difícil para ninguém entender que aquilo se tratava de um Massacre, vindo diretamente do estrangeiro, mas precisamente do Novo Mundo. Na época Alis não conhecerá aquele brasão —Que mais tarde descobriu se tratar do Reino Turgo—.

As Castas 10° e 9° -Que se tratavam basicamente de deficientes, delinquentes e antissociais- caíram rapidamente e, com muros lhe impedindo a fuga e pouco tempo para estratégia, foi quase impossível de sobreviver. Com o intuito de proteger a coisa mais preciosa de suas vidas, Lia e Sil não hesitaram em se auto-abandonar.

Choro, gritos e tilintar de metal se era escutado por todos os cantos. Alis pode ver bem -mesmo sendo puxada pelo braço por seus pais para que corresse- o corpo juvenil de um de seus amigos Pogos com um flecha que lhe atingiu em cheio.

"Isso é um pesadelo?" — Se perguntava as lágrimas.

Apenas se tocou que havia caído quando sentiu o calor das mãos de seus pais se afastarem. Sua mente ainda não se lembra claramente como aconteceu, mas se lembra que os guerreiros estavam perto, perto demais.

Com a visão turva e um zunido no ouvido, ela vira sua mãe com as mãos e o corpo um pouco ensanguentado lhe ajudando a levantar. Por um segundo sua mãe olhou para trás e preocupação e pânico lhe tomaram o rosto

— M-mãe? — Alis lhe tirou do transe, preferiu chamar por sua mãe, já que o medo lhe impedia de olhar para o mesmo lugar que a mesma. Seu pai se juntou as duas em um grande abraço de urso e seu sussurro foi ouvido por Alis.

— Escute querida, "sabe o lugar próximo" quero que você corra o máximo que puder para lá, estamos entendidos?

Ela resolveu se agarrar a essa esperança de um lugar bom em meio ao caos.

— Nós queremos ir para o mesmo lugar que você — Completou sua mãe, e no fundo Alis sabia o que viria a seguir. Lágrimas já saiam de seus olhos em grande quantidade— Mas temos que garantir que você chegue lá. Estaremos no seu coração. Nunca se esqueça disso — Beijou a testa da filha e junto de seu pai lhe deu as costas, preparada para a batalha.

Depois daquela noite, Alis se escondeu com alguns refugiados e depois de alguns anos como nômades para não serem pegos, uma nova sociedade acabou surgindo no antigo Vale de Garensis. Esta nova colônia se proclamava "Micro-Norte de Grenta". Após anos ela novamente fora pega e escravizada juntamente, mas nas coisas ruins ela encontrou seus irmãos. Não de sangue, mas de coração. Zeny, Mort e Lilith

"Vingança? Não é isso que procuro. Quero apenas um lar seguro a qual pertencer, mas se para que isso aconteça eu tenha que me vingar e tirar vidas. Que assim seja!"

Drok Merlin

 

Anão - Mago

Personagem Criado Por Pablo
História Criada por Pablo

Revisada por Wotan Soberano

História e Construção do Personagem

Há muitos anos, durante o Reinado da Supremacia do Norte havia o Distrito de Ferro ao norte, o lugar mais frio de toda a Grenta habitava os seus maiores ferreiros, no entanto logo após a queda do Reino da Supremacia do Norte, quando todo o gelo e neve do norte de Grenta virou passado, o Distrito de Ferro caiu junto (por motivos desconhecidos até o momento). Eis que um ascende para Azir como um novo saldador do surrado povo do antigo Distrito de Ferro, seu nome era Doran, montado em seu dragão Doragon, ele estava revestido de relíquias, e após salvar e restaurar seu povo, eles decidem colocar o nome da nova cidade de Doran em sua homenagem.

Doragon, por ser um poderoso dragão não podia viver na sociedade dos humanos e outras raças, pois gera vários problemas para a sociedade e até para o dragão, Doran então se isolou no monte a alguns quilômetros da cidade, e nomeou o monte de Monte Doragon em sua homenagem, lé era sua nova morada. Anos se passaram, Doran envelheceu e Doragon ainda jovem, até que chegou o dia em que Doran morreu pela idade avançada. Doragon sofre por muitos anos a perda de seu único e maior amigo, e percebe que seres como seu amigo, tem a vida muito curta, e decide se exilar de verdade, passou a não aceitar receber visitas em seu Monte, e nunca mais visitou a cidade de Doran.

O povo da cidade de Doran sabendo da sua morte, recolhe suas relíquias e as guardam em um baú secreto e passam a evitar o contato com o dragão, por perceberem que ele estava diferente e distante. Com o passar dos anos, os habitantes de Doran começaram a apagar os feitos de Doragon e colocar todo o mérito no lendário Doran, passaram a temer Doragon por ser um imenso e poderoso Dragão.

 

Sua história começa a cerca de 20 anos atrás, quando Merlin nasceu, cresceu escutando histórias de Doran e Doragon contadas pelo seu pai. Ornelin o melhor ferreiro de Doran, pai de Merlin, Ornelin era o único da cidade que ainda repassava as histórias do lendário Doran e Doragon para seu filho. Merlin cresceu fascinado e escondido de todos, ele ia visitar o dragão, por sorte ou destino, a criança Merlin ia sempre que o dragão estava adormecido. Apagado em um sono que uma pequena e indefesa criança não seria capaz de acordar.

10 anos se passaram e Merlin acorda em um dia que mudou sua vida, com barulhos vindo de fora de sua casa, quando abre sua janela vê a cidade em chamas, pessoas gritando "Doragon voltou, e irá nos matar", desesperado de curiosidade Merlin dai para fora da casa, seus olhos loucos atrás de vestígios de Doragon ou até mesmo o próprio Doragon, mas nada encontrava, era apenas fogo. Tão desatento com o que acontecia ao seu redor enquanto olhava para o ceu a procura de Doragon, ele foi apunhalado nas costas e tudo apaga.

"Eu tenho certeza que não foi Doragon que fez aquilo" ~Pensa Merlin

(Em manutenção)

Rangnor, Da Fibra de Platina

Anão - Ferreiro

Personagem Criado Por Wotan Soberano

História Criada por Pablo

Revisada por Wotan Soberano

História e Construção do Personagem

Séculos havia se passado após a descoberta do metal supremo, derivado da platina. Pensava-se que não existia uma derivação de metal mais poderosa que essa, mas o, ainda jovem, anão Rangnor discordava, e acreditava ser capaz de fazer uma derivação do metal platina ainda mais forte que o metal supremo, sabendo ele que da platina só existia 3 derivações e do ferro haviam 4, acreditava que os metais seguiam um padrão de derivações, e não desistiu.

Passou cerca de 126 anos estudando os metais e fazendo experimentos em sua forja, até que no ano de seu centésimo quadragésimo sexto aniversário ele descobre a formula certa para forjar a quarta e ultima derivação do metal platina. Nomeou de Metal da Insistência.

Selecionou um jovem ferreiro humano que a muito, já havia implorado para ser seu discípulo, por apreciar seu trabalho. "A idade amoleceu seu coração." Havia dito sua esposa Ifgra ao ferreiro ancião Rangnor.

Ao aprender os segredos de Rangnor, o humano chamado Jiulius, montou sua própria forja e escrevou livros com todo o conhecimento adquirido, e na sua forja e em suas escrituras ele alterou o nome do metal em homenagem ao seu mestre de forja, passou a vender as ferramentas com o a quarta derivação da platina e os humanos conheceram este novo metal como Metal de Rangnor.

 

Icaruz

Éluz - Guerreiro

Personagem Criado Por Pablo

História Criada por Pablo

Revisada por Wotan Soberano

História e Construção do Personagem

A muito tempo antes do reino Eluziano ser formado foi travado uma guerra entre os próprios.
De um lado aqueles que não queriam servir os deuses comandada por Gladiuz, do outro lado aqueles que servem aos deuses comandados por Merideluz.
A batalha ficava cada vez mais intensa mas um dia os dois comandantes se encontraram em campo de batalha por mais que Gladiuz fosse um mago muito poderoso ,Merideluz cortava suas magias como se fossem papel e assim o derrotou em combate, mas não foi capaz de mata-lo.
Para que os deuses não perdessem grande parte de servos que morriam em um combate que era desnecessário para eles, por fim obrigaram os dois comandantes a se casarem e unir os eluzes, através de um matrimônio forjado e Gladiuz após sua derrota, apenas aceitou, e assim foi feito, a guerra tinha acabado mas ainda existiam aqueles que odiavam servir aos deuses e atacaram sua rainha Merideluz enquanto grávida no desejo de proteger seu primogênito e herdeiro, e uma maldição que a rainha carregava desencadeada e ela perdeu o controle de si, causando a morte dos três criminosos, de imediato um deus surgiu e tentou acalma-la e quase morreu por isso, foram preciso dois deuses para segura-la, mas Merideluz não foi condenada a morte para evitar outra guerra, porém tiraram a espada amaldiçoada de sua família que era a fonte de grande parte de seu poder.

O tempo se passou e o bebê nasceu, seu nome era Icaruz, o primogênito e o próximo portador da espada amaldiçoada, no entanto seu pai tem medo de deixar Icaruz no Reino de Eluzia pois sabe que da maldição que carrega, que pode deixar a vida de sua mãe em risco.